Como eu posso perdoar?

Compartilhe 😉Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest

Eu não posso controlar a ação das outras pessoas contra mim, mas posso dominar o meu interior e encontrar em Deus uma solução profunda e completa para todas essas situações. A cura está ao nosso alcance. Jesus a incluiu na oração do Pai Nosso (Mateus 6:9-12), que é uma oração que devemos fazer todos os dias: “Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome; Venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu; O pão nosso de cada dia nos dá hoje; e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores”.

Quando Jesus terminou essa oração, a única frase que ele retomou foi essa (vs. 14,15): “Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós; se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai vos não perdoará as vossas ofensas”.

Existe um só caminho, e é o indicado por Jesus. Não podemos acabar com as injustiças que são cometidas contra nós, nem em nossas casas e nem na sociedade. Mas podemos receber de Deus a graça de perdoar aos homens as suas ofensas. Não há outro caminho para alcançar a cura completa dessa enfermidade. Humanamente, não temos a capacidade de perdoar em certas situações; no entanto, a graça de Deus é algo que supera nossa limitação.

Deus nos chama a ter uma reação diferente da reação humana e natural: perdoar e amar o ofensor.

Jesus nos ensina que devemos perdoar todos os homens pelas suas ofensas. Ele mesmo nos deu o exemplo: “E, quando chegaram ao lugar chamado a Caveira, ali o crucificaram, e aos malfeitores, um à direita e outro à esquerda. E dizia Jesus: Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem. E, repartindo as suas vestes, lançaram sortes” (Lucas 23:33,34).

Para nós, fazer isso é impossível em nossa condição natural. Mas, na morte de Jesus, foi crucificado com ele nosso velho homem e agora o Senhor vive em nós por meio do Espírito Santo.

“Sabendo isto, que o nosso homem velho foi com ele crucificado, para que o corpo do pecado seja desfeito, para que não sirvamos mais ao pecado” (Romanos 6:6).

“Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a pela fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim” (Gálatas 2:20).

O Espírito Santo nos dá poder para perdoar: “Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece” (Filipenses 4:13). Por meio de Jesus que vive em nós, queremos e podemos perdoar, somos livres de todo rancor, amamos ao que nos faz o mal e abençoamos ao que nos maldiz. Perdoar tem que ser uma ação concreta e definida. Como consegui-lo na prática? Que passos devemos dar para vencer o rancor? As instruções do Senhor são muito claras:

“E, quando estiverdes orando, perdoai, se tendes alguma coisa contra alguém, para que vosso Pai, que está nos céus, vos perdoe as vossas ofensas” (Marcos 11:25).

Devemos perdoar orando no nome e no poder de Jesus Cristo. Ao fazê-lo, a graça de Deus opera no coração e descobrimos que é possível. A oração pode ser feita mais ou menos nesses termos: “Pai, nesse momento, no nome e no poder de Jesus Cristo, perdoo a _________ pelo dano que me causou (mencionar tudo). Perdoa também os meus pecados. No nome do Senhor Jesus. Amém”.

“Obrigado, Senhor. Eu já perdoei. Recebo também o Teu perdão e creio que Teu amor me enche. Glória ao Teu nome! Amém!”

Ao solucionar o aspecto voluntário do rancor (decidir perdoar), o emocional (a amargura) desaparece em curto prazo.

Certa vez uma irmã jovem me confessou que tinha um conflito interior. Havia sido noiva durante vários meses. Pensavam em se casar. A mãe do rapaz não desejava o casamento e, com habilidade, conseguiu convencê-lo a terminar o noivado. A moça ficou profundamente ferida. Em seu coração começou a acumular amargura. Estava ressentida com aquela mulher. Cada vez que se falava dela, lhe brotava um rancor.

Tem que perdoar – eu lhe disse.

Sim, mas como faço? Não consigo. Esse ressentimento é mais forte que eu.

Deve perdoar em nome de Jesus. Ele lhe dará o poder. Você pode tudo em Cristo, que lhe fortalece. Entre em seu quarto, feche a porta e ore a Deus. E, enquanto ora, perdoe. Diga: “Senhor, agora, em Teu nome, eu perdoo essa pessoa. Amém!” É simples!

Só isso?

Você me disse que essa pessoa está enferma, não é? Então, comece a orar por ela para que o Senhor a cure.

Bom, vou tentar. Depois lhe conto.

Tem mais. Envie-lhe uma carta dizendo que ficou sabendo de sua enfermidade e que está orando por ela.

Ah, não! Não creio que consiga fazer isso.

Tente!

E ela o fez. Perdoou, orou e enviou a carta. E se libertou! Deus a curou quando ela foi à raiz do problema. Deus quer nos curar interiormente e curar nossos relacionamentos. Para isso o perdão é um passo inevitável. O apóstolo Paulo nos diz: “…assim como Cristo vos perdoou, assim fazei vós também” (Colossenses 3:13). Temos que perdoar todos os dias. Perdoar setenta vezes sete (Mateus 18:21,22). E aprender a viver perdoando.

Jorge Himitian
Extraído do livro “Curados pela Palavra”, que pode ser adquirido pelo site Servo Livre.

Conexão Eclésia

Conexão Eclésia

Amamos a Jesus, por isso lutamos por Sua vida na Igreja.
Conexão Eclésia

Últimos posts por Conexão Eclésia (exibir todos)

Compartilhe 😉Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest