Paulo e a intolerância religiosa

Paulo e a intolerância religiosa
Compartilhe 😉Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest

Intolerância religiosa foi o tema da redação do Enem deste ano. Geralmente esse assunto é abordado destacando a intolerância de cristãos, especialmente evangélicos, contra participantes de outros cultos. Muitos pensam que o que  alimenta a intolerância dos evangélicos é a fé de que Jesus é  único caminho que nos leva a Deus, e que fora dEle não há qualquer possibilidade de salvação. Para muitos, o “exclusivismo cristão” é a raiz de todos os males.

Porém, quero destacar aqui um momento da vida de Paulo que tem muitos a nos ensinar sobre a “intolerância cristã”.

Certa vez, enquanto estava em Atenas, Paulo se revoltou em seu espírito ao ver a cidade tão entregue à idolatria. Não poderíamos esperar outra atitude de um verdadeiro cristão. Afinal, considerando que vivemos num mundo que “jaz no Maligno”, é absolutamente natural que um cristão se revolte ao ver pessoas enganadas ou privadas da Verdade que é Jesus. Se um cristão não tem essa reação, é de se questionar sua fé de que Jesus é o único caminho. Se um dia tentarem impedir os cristãos de crerem assim, é o próprio Cristianismo que está sendo atacado.

Porém, como essa revolta se manifestou na vida de Paulo? Com ofensas, agressões e pedras? Não. Pelo contrário, o apóstolo começou a compartilhar da sua fé com aquelas pessoas, e não lhes direcionou a sua revolta. Até mesmo porque o apóstolo tinha claro em sua mente e coração que “nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes” (Efésios 6:12).

Nossa revolta não se dirige às pessoas. É o nosso amor que deve ser direcionado a elas.

E o que Paulo fez com sua revolta? Ela o moveu a apresentar sua fé:

“Então, Paulo, levantando-se no meio do Areópago, disse: Senhores atenienses! Em tudo vos vejo acentuadamente religiosos; porque, passando e observando os objetos de vosso culto, encontrei também um altar no qual está inscrito: AO DEUS DESCONHECIDO. Pois esse que adorais sem conhecer é precisamente aquele que eu vos anuncio” (Atos 17:22,23).

Temos uma missão aqui. Somos sal da terra, somos luz do mundo. Não podemos ser impedidos de nos revoltar, em nosso espírito, contra o que há de errado por aí. Não podemos ser impedidos de crer que só em Jesus há salvação. Porém, quem conhece um verdadeiro cristão, sabe que sua revolta só pode aparecer de uma forma: como amor.

Em Cristo,
Anderson Paz

blank
Siga
blank
Siga

Últimos posts por Anderson Paz (exibir todos)

Compartilhe 😉Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest