Quão amargo é deixar o Senhor

Quão amargo é deixar o Senhor
Compartilhe 😉Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest

“A tua maldade te castigará, e as tuas rebeldias te condenarão; sabe, pois, e vê, que mal e quão amargo é deixares o Senhor teu Deus, e não teres em ti o meu temor, diz o Senhor Deus dos Exércitos” (Jeremias 2:19).

A vida é muito amarga quando há pecado. E não existe solução possível se não resolvermos o problema básico que é o pecado, se não o abandonarmos e nos voltarmos a Deus, buscando Sua vontade em Sua Palavra.

O afastamento de Deus e a quebra de Suas leis é a causa fundamental dos males da humanidade. A loucura do coração humano tem colocado o Senhor de lado com a pretensão de edificar uma sociedade sem Deus, com as conhecidas consequências.

Portanto, afirmo que a condição essencial para que haja saúde interior é se voltar a Deus por meio de Jesus Cristo. Isso se produz através do arrependimento e da fé em Seu nome, sujeição à Sua autoridade, renúncia ao pecado, às mentiras de Satanás e aos demônios.

Esse princípio fundamental para a libertação dos transtornos e conflitos psíquicos e emocionais é válido para todo homem e mulher.

A maioria das enfermidades são psicossomáticas. Hoje, os entendidos afirmam que a maioria das enfermidades físicas são causadas por problemas psíquicos.

Cuadro Moreno diz: “Há um chamado de atenção para que as sociedades médicas dediquem uma importância básica, dentre as causas de enfermidades, aos desequilíbrios psíquicos. É dito que 85% das causas são precisamente psíquicas e não nos surpreende, por exemplo, ouvir teorias muito elaboradas de que o câncer geralmente tem conotações psíquicas. Certos estados deficientes em ‘anticorpos psíquicos’ contribuem grandemente para diminuir a sobrevivência do enfermo”.

Nossa sociedade tem recursos para resolver esse problema? Conta com uma terapia efetiva para enfrentar esses conflitos psicoemocionais?

Esforços louváveis têm sido realizados pela psiquiatria moderna nesse sentido, porém é preciso reconhecer que mais são os casos que ficam sem solução do que os que se resolvem. Sua capacidade terapêutica é bastante limitada.

Por outro lado, o psicanalista, ao ajudar o paciente a descobrir, mediante o diálogo, a motivação mais profunda de sua conduta, pode justificar qualquer falha de conduta, explicar os fatores que concorrem e as causas objetivas de determinados comportamentos e eximir o paciente de sua responsabilidade pessoal. Este é um procedimento errôneo que se opõe à terapia de Deus, que age através do arrependimento.

Além disso, mergulhar no subconsciente não significa necessariamente conseguir mudanças.

A PNEUMOPSICOSSOMÁTICA

A psicossomática estuda a relação que existe entre a psique e o corpo e a influência que aquela exerce sobre este, através da observação dos transtornos psíquicos (mentais e emocionais) que desarranjam e adoecem o corpo (soma). Mas, uma vez que o homem é uma unidade pneumopsicosomática (espírito-mente-corpo), a raiz de seus problemas deve ser buscada mais além, em seu próprio espírito. Na maioria dos casos ali se encontra a origem de seu desajuste. Portanto, a terapia deve ser intensa e começar no espírito. Como consequência, Deus Se constitui no melhor psiquiatra, o verdadeiro Sarador.

“Porque assim diz o Senhor: A tua ferida é incurável; a tua chaga é dolorosa. Não há quem defenda a tua causa para te aplicar curativo; não tens remédios que possam curar. (…) Porque te restaurarei a saúde, e te curarei as tuas chagas, diz o Senhor(…)” (Jeremias 30:12,13,17).

Quem nos conhece como o Senhor, e quem entende a verdadeira causa dos nossos problemas senão Ele?

Jorge Himitian
Extraído do livro “Curados pela Palavra”, 2ª edição ampliada, que pode ser encontrado na loja Servo Livre.

Conexão Eclésia

Conexão Eclésia

Amamos a Jesus, por isso lutamos por Sua vida na Igreja.
Conexão Eclésia

Últimos posts por Conexão Eclésia (exibir todos)

Compartilhe 😉Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest