A volta de Jesus e as tribulações

A volta de Jesus e as tribulações
Compartilhe 😉Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest

No ano de 2012 havia muita gente acreditando que aquele seria um ano de muitas tragédias e acontecimentos ruins, principalmente os incrédulos. Havia uma preocupação excessiva quanto ao rumo que as coisas poderiam tomar e pelo menos três teorias tinham gerado aquela situação.

A primeira estava relacionada ao filme “2012”, que falava sobre o término da humanidade conforme o calendário Maia. Pessoas renomadas estavam com medo dos acontecimentos relatados no filme, muitos até se preparando para o fim. Dizia-se que os planetas iriam se alinhar tirando a Terra do seu eixo produzindo uma tragédia natural de proporções mundiais. Outros acreditavam que aquela agenda significava um recomeço, o início de uma nova era, de renovação, de acontecimentos bons.

A segunda se relacionava a uma matéria publicada por vários jornais do mundo em 25 de Abril de 1982, onde dizia-se que o cristo, o salvador do mundo estava nascendo: o “maytreia”, a pessoa que iria colocar ordem no caos. À época, os cristãos se atentaram muito para este fato relacionando-o ao anticristo. Muita gente em 2012 se preocupava com isso, porque o mesmo completaria 30 anos, acreditando que aquele era o ano do início da manifestação do anticristo por ser ele um imitador do Nosso Senhor Jesus que iniciou o seu ministério terreno aos trinta anos.

A terceira relacionava-se com o pastor José Luís de Jesús Miranda, um porto-riquenho que morava em Miami, da igreja “Crescendo em Graça”, que há alguns anos se autodenominou “o cristo encarnado” e tinha um imenso número de seguidores em todo o mundo. Ele assumiu o número 666 como seu próprio número e seus seguidores o usam em seu corpo ou objetos para se identificarem com o mesmo até o dia de hoje. A primeira grande heresia deste homem foi excluir o Velho Testamento e todas as cartas não paulinas das Escrituras. Ele conseguiu muitos adeptos porque criou uma teologia desejada por todos. Afirmava que não existia mais o pecado pois Jesus o excluiu por completo de nossas vidas e, portanto, poderíamos viver de qualquer maneira que nada nos afastará de Jesus – que tudo isso é a graça de Deus. Este homem também havia profetizado muitas tragédias para o ano de 2012 e muitos criam que o diabo o ajudaria nisso para que o mesmo não perdesse sua credibilidade, arrastando muitos para o seu caminho de engano. Jesus, em Mateus 24:24 já dizia: “…porque surgirão falsos cristos e falsos profetas operando grandes sinais e prodígios para enganar, se possível, os próprios eleitos.” No entanto, nada do que ele profetizou se cumpriu e no dia 08 de agosto de 2013,   quando já havia se declarado imortal, faleceu. Fato este que o seu grupo nega até a data de hoje, mas que sua ex-esposa Josefina Torres confirmou através de um vídeo no YouTube. Ela declara e confirma a morte do homem que se declarou o cristo encarnado e imortal. Confere em: https://youtu.be/tTLniRcgCtk

O que a Bíblia diz sobre a volta de Jesus?

Existe hoje um enorme grupo de cristãos que não se preocupa com nada, pois acredita que a igreja será arrebatada por Jesus antes que qualquer acontecimento ruim recaia sobre a terra. Por outro lado, há também gente que crê que se deve estar atento a tudo, a todos os fatos, porque a igreja passará por um grande sofrimento, pela grande tribulação que antecederá a volta de Jesus. Mas, o que a Bíblia diz acerca disso tudo?

“Porquanto o Senhor mesmo, dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; depois, nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e, assim, estaremos para sempre com o Senhor. Consolai-vos, pois, uns aos outros com estas palavras” (1 Tessalonicenses 4:16-18).

A igreja em Tessalônica passava por grandes lutas e tribulações, apesar de Paulo dizer que ela estava crescendo em amor, fé e esperança. Entretanto, ele diz que precisaria corrigir a deficiência da fé daquela igreja e nas duas cartas que lhes escreve ele fala sobre o arrebatamento e o Dia do Senhor.

O “Dia do Senhor”, na verdade, não é simplesmente “um dia” pois, para Deus, “um dia é como mil anos” (2 Pedro 3:8). Este “Dia do Senhor” refere-se ao Milênio, período no qual o Senhor Jesus reinará na Terra (Apocalipse 20); é o dia do reinado absoluto e pleno do Senhor sobre a Terra.

Devido às perseguições que estavam enfrentando, Paulo estava consolando aquela igreja com estas palavras. Ele cria que a tribulação já era um sinal para a volta de Jesus naqueles dias. Em sua segunda carta chega a declarar que o final da tribulação só ocorreria quando o Senhor Jesus se manifestasse nos céus (2 Tessalonicenses 1:7 RA): “e a vós outros, que sois atribulados, alívio juntamente conosco, quando do céu se manifestar o Senhor Jesus com os anjos do seu poder”. Ele cria que a tribulação só cessaria com a volta de Jesus.

Quais as chaves para interpretar a passagem de 1 Tes 4:16-18? Primeiramente, o texto diz que “os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro”, referindo-se a todos aqueles que morreram na fé. Segundo, “os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles”. Este grande acontecimento envolve, então, três coisas, nesta sequência: o arcanjo tocando a trombeta, os mortos em Cristo ressuscitando e o arrebatamento dos que estiverem vivos encontrando com o Senhor nos ares.

A Bíblia fala também de duas ressurreições: a dos justos, para a vida e a dos injustos, para o juízo. A primeira se dará antes do arrebatamento e a segunda após o milênio, que é o juízo final.

“Não vos maravilheis disto, porque vem a hora em que todos os que se acham nos túmulos ouvirão a sua voz e sairão: os que tiverem feito o bem, para a ressurreição da vida; e os que tiverem praticado o mal, para a ressurreição do juízo” (João 5:28,29)

Jesus explica quem participará das duas ressurreições e refere-se, basicamente, às práticas das pessoas, quem fez o bem ou quem fez o mal. Ressuscitar é “ganhar corpo de novo”. Quando o homem morre, a Bíblia diz que seu espírito sai do seu corpo e retorna a Deus, enquanto o corpo vira pó e retorna à terra. A alma, o ser vivente, fica apagada até a ressurreição, quando o espírito volta e um novo corpo, incorruptível, reaviva a alma.

O inferno ou “lago de fogo” (Apocalipse 20:14,15) é muito terrível e temível porque foi feito para quem tem um corpo incorruptível, ou seja, um corpo que sofrerá eternamente. A palavra diz que ele não foi preparado para os homens, mas para o diabo e seus anjos (Apocalipse 25:41).

“Visto que a morte veio por um homem, também por um homem veio a ressurreição dos mortos” (1 Coríntios 15:21).

Assim como por Adão veio a morte, por Jesus veio a ressurreição. Esta é a maior vitória do cristão.

“tendo esperança em Deus, como também estes a têm, de que haverá ressurreição, tanto de justos como de injustos” (Atos 24:15).

Muita gente ensina que a morte é uma aniquilação, um desaparecimento completo da vida. Esta mensagem incentiva o pecado pois, se deixará de existir, o homem pode “aproveitar” a vida praticando todo tipo de pecado que lhe convir. Mas haverá ressurreição, haverá uma prestação de contas por tudo que se fizer em vida; haverá uma ressurreição para vida e outra para a morte. Este é um fato e ninguém escapará disso, quer goste ou não, quer creia ou não. A vida pode acabar por um tempo mas, um dia, voltará.

“Vi também tronos, e nestes sentaram-se aqueles aos quais foi dada autoridade de julgar. Vi ainda as almas dos decapitados por causa do testemunho de Jesus, bem como por causa da palavra de Deus, tantos quantos não adoraram a besta, nem tampouco a sua imagem, e não receberam a marca na fronte e na mão; e viveram e reinaram com Cristo durante mil anos. Os restantes dos mortos não reviveram até que se completassem os mil anos. Esta é a primeira ressurreição. Bem-aventurado e santo é aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre esses a segunda morte não tem autoridade; pelo contrário, serão sacerdotes de Deus e de Cristo e reinarão com ele os mil anos” (Apocalipse 20:4-6).

Os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro e, depois, os vivos serão arrebatados. Na primeira ressurreição haverá gente que não adorou a besta, que não recebeu a marca do anticristo. Se os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro antes do arrebatamento da igreja e João disse que viu aqueles que haviam sido decapitados por causa do testemunho de Jesus, porque não adoraram a besta e nem receberam a sua marca ressuscitarem na primeira ressurreição, logo, o que se conclui é que o arrebatamento da igreja se dará depois da manifestação da besta com sua imagem e sua marca. Isso é confirmado por Paulo também na carta aos Tessalonicenses.

“Irmãos, no que diz respeito à vinda de nosso Senhor Jesus Cristo e à nossa reunião com ele, nós vos exortamos a que não vos demovais da vossa mente, com facilidade, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola, como se procedesse de nós, supondo tenha chegado o Dia do Senhor. Ninguém, de nenhum modo, vos engane, porque isto não acontecerá sem que primeiro venha a apostasia e seja revelado o homem da iniquidade, o filho da perdição…” (2 Tessalonicenses 2:1-3).

Paulo adverte os cristãos, assim como Jesus já havia predito, que muitos viriam se fazendo passar por “cristos”, ensinando heresias e enganando a muitos acerca da vinda de Jesus. Mas ele explica que a vinda do Senhor e nossa consequente reunião com ele não acontecerá sem que, primeiro, venha a apostasia e a tribulação produzidas pelo anticristo.

A Bíblia diz que Jesus “… vem com as nuvens, e todo olho o verá” (Apocalipse 1:7). Será um acontecimento poderoso e mundial, abalando todas as estruturas humanas e terrenas e todos os que estiverem vivos e em Cristo serão arrebatados. Antes disso, porém, haverá uma grande tribulação, ceifando a vida de muitos que não negaram a fé, que não aceitaram a marca da besta e nem se sujeitaram ao anticristo. Esta é a primeira ressurreição.

Preparados para o sofrimento

Entretanto, esse sofrimento já foi experimentado pela família da fé em muitas outras épocas. Hebreus 11 relata o sofrimento de muitos mártires, assim como o livro de Atos fala de Estevão e Tiago. A história também registra diversas torturas e mortes dos primeiros cristãos. Os verdadeiros crentes em Jesus não recuam diante das tribulações, não negam o Nome de Jesus. Se não aprendermos hoje a viver intensamente como cristãos, com as lutas que enfrentamos, dificilmente suportaremos a grande tribulação que virá no futuro produzida pelo anticristo.

Existem muitas histórias sobre as águias, algumas verdadeiras e outras lendas. Uma destas histórias ou lendas diz o seguinte:

“A águia é a ave que possui a maior longevidade da espécie. Chega a viver 70 anos. Mas, para chegar a essa idade, aos 40 anos ela tem que tomar uma séria e difícil decisão. Aos 40 anos está com as unhas compridas e flexíveis, não consegue mais agarrar as suas presas das quais se alimenta. O bico alongado e pontiagudo se curva. Apontando contra o peito estão as asas, envelhecidas e pesadas em função da grossura das penas, e voar já é tão difícil! Então, a águia só tem duas alternativas: morrer… ou enfrentar um dolorido processo de renovação que irá durar 150 dias. Esse processo consiste em voar para o alto de uma montanha e se recolher em um ninho próximo a um paredão onde ela não necessite voar. Então, após encontrar esse lugar, a águia começa a bater com o bico em uma parede até conseguir arrancá-lo, sem contar a dor que irá ter que suportar. Após arrancá-lo, espera nascer um novo bico, com o qual vai depois arrancar as suas velhas unhas. Quando as novas unhas começam a nascer, ela passa a arrancar as velhas penas. E só após cinco meses sai para o famoso voo de renovação e para viver então mais 30 anos.”

Lendas ou não, o fato é que Isaías 40:31 diz “…mas os que esperam no Senhor renovam as suas forças, sobem com asas como águias, correm e não se cansam, caminham e não se fatigam.” A Bíblia fala que a águia se renova e que nós somos semelhantes a ela. Mas é um renovo produzido por Deus a partir de uma escolha do homem: o homem faz uma escolha e o Senhor opera um milagre a partir da mesma.

A Bíblia, em Gênesis 40, relata a história de três homens em tribulação que estavam presos a mando do rei do Egito: o padeiro-chefe, o copeiro-chefe e José. Cada um daqueles homens seguiu um destino diferente: o padeiro saiu para a morte, o copeiro saiu para sua posição anterior e José saiu diretamente para ocupar o trono. Quando alguém passa por um problema muito grave, uma tribulação, uma angústia, um sofrimento profundo que ninguém pode ajudar, essa pessoa pode tomar uma das mesmas três direções ou destinos que aqueles homens tiveram: ou sai para a morte, ou sai para continuar sendo a mesma pessoa sem mudar em nada ou sai para o trono, para reinar.

Toda tribulação ou nos afasta de Deus (morte), ou nos mantém na mesma posição (às vezes medíocre) que estamos vivendo ou nos aproxima mais de Deus (reinar em vida), levando-nos a buscá-Lo como nunca antes; são escolhas que fazemos. José, mesmo que injustamente acusado e preso, nunca se afastou do Senhor.

Independente se haverá ou não acontecimentos catastróficos nos próximos anos, a igreja precisa estar pronta para tudo. As nossas escolhas são para hoje. Deus não vai esperar a grande tribulação para nos ensinar, mas nos ensina diariamente a viver e vencer nas leves e momentâneas tribulações pessoais.

O que as tribulações têm produzido em sua vida? Morte ou afastamento do Senhor? Mediocridade ou permanecer a mesma pessoa, vivendo da mesma maneira? Ou vida, vitória e crescimento espiritual? Esta resposta será resultado da sua escolha.

Cada ano que se inicia ou que passamos é uma nova oportunidade de praticar a Palavra, obedecer ao Senhor, fazer discípulos. A grande tribulação virá, o anticristo se manifestará, catástrofes acontecerão – Deus escreveu, disse que será assim, não tem como mudar, é fato. Mas “os que confiam no Senhor são como o monte Sião, que não se abala mas permanece firme para sempre” (Salmos 125:1).

Não importa o que vem pela frente, o que possa acontecer, quem conhece o Senhor e a Palavra sabe que Deus sempre esteve e sempre estará no controle. Só sairemos daqui quando a trombeta tocar ou quando o Senhor nos chamar pela morte.

Quais têm sido as suas escolhas? Para onde você vai sair das lutas que têm enfrentado? Para a morte, para o mesmo lugar de sempre ou para a vida vitoriosa que Deus determinou para você?

No amor do Senhor Jesus,
Sérgio Franco

blank
Siga

Sérgio Franco

Equipe . Conexão Eclésia em Conexão Eclésia
blank
Siga

Últimos posts por Sérgio Franco (exibir todos)

Compartilhe 😉Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest
  • Tairone Cass

    Excelente reflexão, meu amado irmão e pastor Sérgio Franco! Devo dizer que nessa visão escatológica do futuro da igreja e do “fim de tudo”, eu concordo contigo em número, gênero e grau, hehehe. Oremos, para que todos os demais irmãos, independente da visão ou denominação, sejam cheios do Espirito Santo afim de que estejam prontos pra toda e qualquer situação que aconteça nos próximos anos da história.

    Forte abraço!

  • Tairone Cass

    Excelente reflexão, meu amado irmão e pastor Sérgio Franco! Devo dizer que nessa visão escatológica do futuro da igreja e do “fim de tudo”, eu concordo contigo em número, gênero e grau, hehehe. Oremos, para que todos os demais irmãos, independente da visão ou denominação, sejam cheios do Espirito Santo afim de que estejam prontos pra toda e qualquer situação que aconteça nos próximos anos da história.

    Forte abraço!