Oito coisas que devemos evitar quando discipulamos

Oito coisas que devemos evitar quando discipulamos
Compartilhe 😉Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest

Deus nos tem delegado autoridade para edificar nossos irmãos. Se não exercermos a autoridade, não podemos edificar a casa de Deus. No entanto, devemos ter muito cuidado nessa área porque o exercício de autoridade envolve riscos e perigos que devemos evitar.

Aqui mencionamos oito coisas sobre as quais temos que ter cuidado:

1) A ambição do poder

Esse é um dos males mais arraigados na natureza humana. Quando percebemos que nossos comandos são atendidos (a alguém dizemos “venha” e ele vem; a outro dizemos “vá” e ele vai; a um terceiro dizemos “faça tal coisa” e ele faz”) é possível que sintamos uma satisfação carnal. Isso pode chegar a perverter nosso coração, fazendo uso da autoridade para alimentar nosso ego. Se exercemos autoridade deve ser unicamente para servir aos irmãos (Mateus 20.25-28).

2) A autoridade despótica

Quanto dano é causado pelo exercício da autoridade sem amor, graça e carinho!! Exercer autoridade não significa atuar e falar num tom ditatorial e enérgico, mas mostrar para o discípulo a vontade do Senhor com amor e firmeza. Embora, por vezes, uma repreensão seja necessária, esse não pode ser o tom permanente de nossa relação com os discípulos (1 Tessalonicenses 2.7-8).

3) A falta de autoridade

Outro perigo é manter uma autoridade aparente, sem exercê-la realmente. Ser demasiadamente brando e condescendente faz com que  vida do discípulo não se desenvolva nem cresça. Nesse caso, a relação não é mais do que uma boa amizade. Não há instruções, ordens claras, observação nem direção (2 Timóteo 4.2; Tito 2.15).

4)  Pretender ser autoridade em todos os temas

Não somos autoridade em todas as matérias. Devemos nos limitar ás áreas que nos competem. Devemos saber dizer “não sei”. Certas situações devem ser encaminhadas para outras pessoas, e muitas outras vezes precisamos consultar e nos aconselhar em vez de dar uma resposta apressada.

5)  Dirigir vidas em vez de formá-las

O operário e o aprendiz estão sob autoridade, no entanto, depois de vários anos o operário segue sendo operário e o aprendiz, diretor. Um discípulo é um aprendiz; devemos sobretudo ensiná-lo e formá-lo. É fácil dirigir uma vida; a questão é formá-la. Não lhe diga o que ele pode descobrir por si, não faça o que ele pode fazer, lhe delegue responsabilidades e dê espaço para que possa experimentar.

6) Perpetuar uma autoridade vertical desnecessariamente

Nosso objetivo é que os discípulos cresçam e cheguem à maturidade. Na medida em que isso ocorre, a verticalidade deve ir declinando para dar lugar à mutualidade.“Sujeitai-vos uns aos outros” (Ef. 5.21; 1 P. 5.5). Não devemos ser um tampão para nossos discípulos, ao contrário devemos animá-los a crescer ainda mais que nós mesmos.

7) Ser “intocável”

Devemos lembrar que sobretudo somos irmãos. Qualquer discípulo deve ter liberdade para nos admoestar quando vê algo mal em nossa vida. Existem aqueles que nos questionam porque têm rebeldia em seu coração, mas também há os que por vezes nos questionam porque têm mais vida própria e inquietudes legítimas em seu interior. Não devemos resistir sistematicamente a todo questionamento, mas sim considerar objetivamente o aporte dos irmãos que pensam diferente de nós.

8) Tratar a todos da mesma maneira

Não podemos tratar a todos por igual. Não podemos discipular do mesmo modo o jovem e o ancião. O trato deve ser de acordo com cada pessoa. Em 1 Timóteo 5.1-2, Paulo pede a Timóteo que seu trato seja de acordo com cada pessoa. Seria prejudicial ter um método único e dar a todos o mesmo tratamento. Ainda que os princípios e ensinos sejam os mesmos para todos, no entanto o trato deve ser de acordo com a pessoa, levando em conta sua idade, sexo, personalidade, capacidade e outras questões.

Jorge Himitian
Extraído da página do autor no Facebook.

Texto publicado originalmente em espanhol

Conexão Eclésia

Conexão Eclésia

Amamos a Jesus, por isso lutamos por Sua vida na Igreja.
Conexão Eclésia

Últimos posts por Conexão Eclésia (exibir todos)

Compartilhe 😉Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest