O direito de não perdoar

o direito de não perdoar
Compartilhe 😉Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest

A Bíblia não pode ser lida em tiras, isolando um texto do seu contexto. Se não lermos a Bíblia da forma devida, muitas das suas riquezas podem passar desapercebidas. Exemplo disso está na figura do servo inútil, usada por Jesus em Lucas 17:7-10:

“E qual de vós terá um servo a lavrar ou a apascentar gado, a quem, voltando ele do campo, diga: Chega-te, e assenta-te à mesa? E não lhe diga antes: Prepara-me a ceia, e cinge-te, e serve-me até que tenha comido e bebido, e depois comerás e beberás tu? Porventura dá graças ao tal servo, porque fez o que lhe foi mandado? Creio que não. Assim também vós, quando fizerdes tudo o que vos for mandado, dizei: Somos servos inúteis, porque fizemos somente o que devíamos fazer”.

Perceberemos mais da riqueza desse texto ao lermos o ensino que lhe precede, qual o mandamento que o Senhor está dando aos seus servos naquele momento. Lucas 17:3-6 diz o seguinte:

“Olhai por vós mesmos. E, se teu irmão pecar contra ti, repreende-o e, se ele se arrepender, perdoa-lhe. E, se pecar contra ti sete vezes no dia, e sete vezes no dia vier ter contigo, dizendo: Arrependo-me; perdoa-lhe. Disseram então os apóstolos ao Senhor: Acrescenta-nos a fé. E disse o Senhor: Se tivésseis fé como um grão de mostarda, diríeis a esta amoreira: Desarraiga-te daqui, e planta-te no mar; e ela vos obedeceria”.

Logo depois de ensinar que perdoar é um dever de todo aquele que o segue, Jesus começa a falar sobre o servo inútil, aquele que só fez o que deveria fazer.

Perdoar não deve ser uma opção na vida do discípulo de Jesus. Perdoar não é algo que vai além do nosso dever, não acumulamos méritos com isso.

Já tomamos a decisão de seguir a Jesus, e agora, todas as nossas decisões cotidianas devem girar em função dessa decisão maior: a de seguir nos passos dAquele que, mesmo sofrendo a tortura e a morte, foi capaz de orar em favor de seus algozes dizendo: “Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem”. Diante do exemplo deixado por Jesus, não temos o direito de não-perdoar: “assim como Cristo vos perdoou, assim fazei vós também” (Cl. 3:13).

Em Cristo,
Anderson Paz 

 
Confira também:
– Não dá pra esquecer
– Um coração guardado, sem ressentimentos
– Gente sem graça
– Depois da raiva

 

blank
Siga
blank
Siga

Últimos posts por Anderson Paz (exibir todos)

Compartilhe 😉Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest