Viver a morte, morrer na vida

viver a morte
Compartilhe 😉Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest

Em certa ocasião da vida de Jesus, enquanto estava em Jerusalém nos dias que antecederam sua crucificação, alguns gregos foram até os apóstolos dizendo: “queremos ver Jesus”. Ao saber que os gregos estavam a sua procura, Jesus fala algo que soa um tanto estranho, pois parece não se coadunar com sua postura e seu ensino de nunca buscar a glória dos homens. Jesus diz: “É chegada a hora de ser glorificado o Filho do Homem” (João 12:23). Alguém, ao ouvir isso, poderia ter pensado: “Que coisa estranha. Jesus diz que não devemos buscar a glória dos homens, mas ele se alegra em saber que os gregos estão a sua procura. Será que ele busca a glória que vem dos gregos?”.

Ora, se não prosseguirmos para a leitura dos versículos seguintes, teremos uma compreensão equivocada sobre o que Jesus realmente disse, pois ali Ele afirma: “Em verdade, em verdade vos digo: se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas se morrer, produz muito fruto” (João 12:24).

Pode parecer estranho, mas Jesus responde ao convite falando sobre sua morte e o resultado da mesma. De fato, Jesus foi o grão de trigo que morreu e deu muitíssimo fruto. Se ele estivesse preocupado em receber a glória por parte dos gregos, talvez alcançasse a fama, mas apenas isso, e ficaria só. Mas, por renunciar a glória dos homens, por se entregar na cruz, Ele não ficou só. Ao longo de séculos, gerações e gerações têm se achegado a Ele. Multidões têm sido marcadas por Seu amor, tão somente porque ele decidiu ser o grão de trigo que morre e dá frutos. A morte não foi um acidente na vida de Jesus. Ele deliberadamente decidiu viver a morte.

Precisamos observar que quando Jesus falou sobre o grão de trigo, ele não estava falando apenas sobre a própria morte, mas estava ensinando um princípio a ser vivido por quem O segue:: se não viver a morte, estará solitário. Apenas com a morte há frutificação. Mas, em termos práticos, o que quer dizer essa morte? Ora, se o resultado da falta de morte é a solidão, e solitário é aquele que busca seus próprios interesses (Provérbios 18:1), pode-se afirmar que quem não morre é quem vive em função de si mesmo, das próprias vontades, desejos e interesses. Morrer é assumir os interesses de Deus e dos outros. E essa é a morte para a vida, é a morte para frutificar.

Embora quando falamos dessa morte pensemos em eventos dramáticos, em renunciar algo de grande valor, na verdade essa morte precisa ser vivenciada no dia-a-dia, nas pequeninas coisas. Foi assim que nosso Senhor nos ensinou. A morte de Jesus não foi um evento isolado na crucificação. A cruz foi o ponto que consumou uma morte que Jesus vivenciava a cada dia: pensava no interesse dos outros, se dedicava a servir, a fazer o bem, a deixar seu conforto e bem-estar em favor de seu próximo. Esse é o nosso Senhor. Amado Jesus. E nós temos sido chamados a seguir seus passos, a andar nas suas pisadas (I Pe. 2:21; I Jo. 2:6).

Você está seguindo nos passos do Senhor? Decida hoje seguir nesses passos, decida viver a morte. Exercite-se em morrer para sua própria vida, para viver a vida que Deus tem pra você.

Em Cristo,

Anderson Paz

blank
Siga
blank
Siga

Últimos posts por Anderson Paz (exibir todos)

Compartilhe 😉Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest