O que fazemos para que Deus nos ame?

O que fazemos para que Deus nos ame?
Compartilhe 😉Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest

O que fazemos para que Deus nos ame? O mesmo que nós fazemos para receber a luz do Sol. Nada! Nenhum de nós precisa acender o Sol todas as manhãs. Quando acordamos, ele já está lá. Nenhum de nós precisa pagar à companhia de eletricidade para desfrutar do calor e da luz do Sol. Nós tão somente nascemos num planeta que orbita ao redor desse astro. Assim também é o amor de Deus, não fizemos nada para merecê-lo.

O amor de Deus de certa forma atinge a todos. Afinal, como Jesus disse, o Pai“faz raiar o seu sol sobre maus e bons e derrama chuva sobre justos e injustos”(Mt. 5:45). Contudo, se usarmos a figura do sistema solar, veremos que nem todo planeta que orbita em torno do Sol recebe luz e calor suficiente para que haja vida humana. Da mesma forma, assim como todos são atingidos pelo amor de Deus, nem todos estão na órbita certa para que haja vida.

Então fica a pergunta: Qual é a posição certa, a localização exata, para que o amor de Deus produza vida em nós? Segundo Jo. 3:16, vemos que Deus amou o mundo, mas são os que creem que recebem a vida eterna. Portanto, a posição certa é a fé.

Em Hb. 3:12 já somos alertados a não deixarmos que um coração de incredulidade nos afaste do Deus vivo, ou seja, nos tire da órbita certa. E como nos manter na posição de fé? O versículo seguinte nos responde: “Antes, exortai-vos uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama Hoje, para que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado” (Hb. 3:13).

Para nos mantermos no lugar de fé, há algo indispensável: precisamos da exortação mútua. Em outras palavras, precisamos não apenas de convívio, mas de relacionamento profundo com nossos irmãos. Nossa comunhão com nossos irmãos deve se expressar na consideração mútua, no estímulo, nas admoestações (Hb. 10:24,25), no levar as cargas uns dos outros (Gl. 6:2), na confissão de nossos pecados uns aos outros (Tg. 5:16). Tudo isso só é possível quando há, para além do convívio, sinceridade, transparência, honestidade, profundidade em falar de si mesmo e em tratar da vida de seus irmãos. O convívio promove o ambiente para isso, mas se não houver corações profundos, esse ambiente não produzirá nada.

Por isso, decida orbitar ao alcance do amor de Deus, desfrutando da vida que Ele tem para você. Para isso, desfrute do relacionamento com a Igreja, o Corpo de Cristo. Decida viver com profundidade. Decida viver no Melhor Lugar do Mundo, que é o lugar onde Jesus está: “onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles” (Mt. 18:20).

Em Cristo,

Anderson Paz

Últimos posts por conexão eclésia (exibir todos)

Compartilhe 😉Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest
  • Edna Sueli

    É muito difícil compreender o amor de Deus para conosco, mas Ele nos ama verdadeiramente.
    Obrigada, Senhor.

  • Edna Sueli

    É muito difícil compreender o amor de Deus para conosco, mas Ele nos ama verdadeiramente.
    Obrigada, Senhor.