Perdão, confiança e desconfiança

Perdão, confiança e desconfiança
Compartilhe 😉Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest

Recentemente assisti um vídeo onde Mark Driscoll aborda o tema “o que perdão não é”, esclarecendo alguns equívocos existentes em torno do tema. Driscoll faz declarações importantes para que tenhamos uma visão correta sobre o perdão, como a de que perdoar não é  esquecer. De fato, a Bíblia diz que Deus não se lembraria de nossos pecados (Jr. 31:34), mas isso não significa que Ele sofra de amnésia ao nos perdoar. Muito pelo contrário, Ele é onisciente, e todas as coisas estão claras para Ele. Portanto, Deus não esquece de nossos pecados quando nos perdoa, mas Ele decide não os levar em consideração para nos condenar. Uma vez que alcançamos o perdão de Deus, nossos pecados não serão lembrados em juízo.

Deus não apaga nossos pecados de Sua memória, e Ele lembra tão bem que disciplina e corrige aqueles a quem perdoa: “Porque o Senhor corrige o que ama, e açoita a qualquer que recebe por filho… para nosso proveito, para sermos participantes da sua santidade” (Hb.12:6,10). Por nos perdoar é que Ele nos corrige. Somos repreendidos pelo Senhor para que não sejamos condenados com o mundo (I Co. 11:32)

Perdoar não é esquecer, negar o pecado, ou diminuí-lo. Driscoll também afirma perdoar não é confiar. E até aí concordo com ele, mas acredito que essa afirmação isolada pode nos levar a uma ideia equivocada sobre o perdão. Quando perdoamos alguém, nossa confiança nessa pessoa não é automaticamente restaurada. Confiança é coisa que se constrói ao longo do tempo. Mas eu acrescentaria algo ao que Driscoll disse. De fato, perdoar não significa a restauração imediata da confiança, mas consiste em demolir os obstáculos que possam impedir sua reconstrução. É deixar espaço, sem colocar barreiras, para que a confiança possa ser conquistada novamente, a tal ponto que ela, com o passar do tempo, possa ser igual ou maior do que a que existia antes da ofensa.

Portanto, ao perdoar, deixe que a pessoa ofendida reconstrua a confiança. Lembre-se que os muros que levantamos para nos proteger são os mesmos que nos separam. Perdoar é abrir a possibilidade de reconstrução de relacionamentos.

Em Cristo,

@AndersonPaz

Confira também

– Não dá pra esquecer
– Um coração guardado, sem ressentimentos
– Gente sem graça
– Depois da raiva
 

Últimos posts por conexão eclésia (exibir todos)

Compartilhe 😉Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on Pinterest